Exuberância em cores – Revista Natureza

Além do conhecido tom arroxeado, a flor-canhota pode ser encontrada nas cores branca, rosa e amarela

TEXTO LAURA NEAIME | FOTOS VALERIO ROMAHN

Basta um pouquinho de imaginação para enxergar o formato de um palmo nas flores da flor-canhota (Scaevola aemula): distribuídas em forma de leque, suas cinco pétalas se assemelham aos dedos de uma mão esquerda. A característica é tão marcante que rendeu à espécie não apenas seu nome popular como também o científico: Scaevola vem de scaevus, palavra em latim para canhota. Aemula, por sua vez, deriva de aemulans, que significa imitadora.

Com um pouco de imaginação, é possível ver o desenho de um palmo nas flores da flor-canhota: são cinco pétalas distribuídas como os dedos de uma mão

A planta conquista os jardinistas por conta do efeito ornamental proporcionado por suas flores, que enfeitam o jardim desde a primavera até meados do verão. Elas ficam agrupadas a poucos centímetros das pontas de seus ramos pendentes, que atingem até meio metro de comprimento.

Entre a primavera e o verão, a espécie fica cheia de flores, que surgem a poucos centímetros da ponta dos ramos
Projeto: Sandro Sander (paisagista do Jardineiro Garten, tel.: (51) 9323-9948, www.jardineirogarten.com.br / Festival da Primavera de Nova Petrópolis, RS

A flor-canhota, que na espécie-tipo tem pétalas azul-arroxeadas, foi amplamente hibridada e submetida a melhorias genéticas para produzir floradas mais intensas e duradouras. Foi graças a esses melhoramentos que surgiram variedades com flores em outros tons como o branco, o rosa e o amarelo. As borboletas não resistem ao colorido – e marcam presença nos cantinhos onde a planta é cultivada.

Como se não bastasse tamanha beleza concentrada na florada, a folhagem da flor-canhota também tem seu quê de exuberância: verde-escuras, as lâminas longas e serrilhadas apresentam consistência suculenta. De quebra, contam com uma densa pelugem na cobertura – o combo ideal para quem quer uma espécie vistosa no jardim.

Arremate perfeito

Embora seja perene, a flor-canhota geralmente é cultivada como bianual, pois perde o vigor depois de dois anos. Como seu crescimento é prostrado – os ramos se desenvolvem em direção ao solo, mas formam uma leve curvatura para cima nas extremidades –, ela é plantada principalmente em jardineiras, canteiros elevados e vasos suspensos. Uma sugestão de Cristiano Kuhn, da Floricultura Úrsula, é combinar a espécie ao gerânio (Pelargonium x hortorum) – que, além de apreciar condições de cultivo semelhantes às da flor-canhota, floresce na mesma época que ela.

A ramagem densa da planta cresce em direção ao solo, mas se curva para cima nas extremidades. A característica garante efeito bastante ornamental a vasos altos e robustos, como este que recebeu a variedade rosa da flor-canhota
Ambientação: Floricultura Úrsula, tel.: (54) 3281-9020

Outra opção é usar a planta para compor maciços no jardim. Nesse caso, a recomendação de Cristiano é deixar 20 cm entre as mudas. “Por conta do desenvolvimento rápido da espécie, basta um mês para que a composição fique bem fechada”, explica.

Cuidado na medida certa

A flor-canhota não é daquelas plantas que se pode esquecer no canteiro ou vaso: ela requer cuidados constantes, como regas em dias alternados e podas periódicas – sempre após a florada, com os cortes feitos próximo aos botões florais.

Cristiano Kuhn recomenda duas adubações anuais – uma com composto orgânico e a outra com NPK 4-14-8 –, que devem ser feitas alternadamente na primavera e no final do verão. O solo, por fim, deve ser rico em matéria orgânica, úmido e bem drenado.

No que se refere ao clima, os caprichos não são tantos: a flor-canhota vai bem tanto no litoral, onde a umidade é maior, quanto em regiões serranas, de temperaturas mais amenas. Além disso, se desenvolve bem em locais sob sol pleno ou meia-sombra. Só não pode ser plantada em áreas sujeitas a geadas.

Exemplares de flores azuis e brancas podem ser adquiridos na Floricultura Úrsula (www.floriculturaursula.com.br). Os menores, com ramos medindo entre 10 cm e 15 cm de comprimento, custam R$ 5,10, enquanto os maiores saem por R$ 27,50. Já a Viviane Flores e Plantas, de Holambra, SP, vende caixas com dez mudas das variedades azuis, rosa e brancas por R$ 10.

Flor-canhota em detalhes

  • Nome científico: Scaevola aemula
  • Nome popular: flor-canhota
  • Família: godeniáceas
  • Origem: a espécie-tipo é nativa da costa sul e sudeste da Austrália
  • Características: a espécie é uma herbácea-perene – porém cultivada como bianual – com ramagem prostrada de até 50 cm. A exceção é o cultivar de flores amarelas, cujos ramos não passam de 30 cm
  • Folhas: são verde-claras, longas, espatuladas e encobertas por uma densa pelugem. A textura é suculenta
  • Flores: apresentam cinco pétalas dispostas em forma de leque e o desenho do conjunto lembra o formato de uma mão. Surgem em tons de azul-arroxeado, branco, rosa e amarelo
  • Solo: rico em matéria orgânica, bem drenado e mantido úmido
  • Luz: sol pleno e meia-sombra
  • Clima: subtropical e tropical de altitude
  • Regas: em dias alternados
  • Plantio: em um berço com 10 cm x 10 cm, acomode uma muda pequena – com ramos medindo entre 10 cm e 15 cm de comprimento – e cubra com terra enriquecida com composto orgânico
  • Adubação: aplique alternadamente composto orgânico e NPK 4-14-8. As adubações devem ser feitas duas vezes ao ano: durante a primavera e no final do verão
  • Podas: após a floração, corte os ramos da planta logo abaixo dos botões florais
  • Reprodução: por estaquia

Ler mais…

Deixar um comentario

Faça um orçamento!